Encontre aqui o melhor da região.
Background Image

Entrevista exclusiva com o chef Henrique Fogaça

Henrique Fogaça

Entrevista exclusiva com o chef Henrique Fogaça.

AMAIS: Você iniciou sua carreira vendendo sanduíches em uma Kombi. Já fez e experimentou sanduíches de todos os jeitos possíveis. Mas nos conte: Como é o seu sanduíche perfeito?  

FogaçaO sanduíche perfeito para mim é o sanduíche feito com amorcarinho e que tudo se combine: os ingredientes – desde o pão, até o tipo de queijo, ou a carne, seja hambúrguer ou não, eno é fazer uma boa harmonia entre os ingredientes. 

AMAIS: Como você define a sua culinária? Quais chefs te inspiram? O que mais aprecia na cozinha brasileira?  

Fogaça: Bom, minha culinária é uma culinária instintiva, não tenho muito um rótulo da minha culinária, mas eu gosto de trabalhar com bastantes ingredientes brasileiros. Minha comida é uma comida afetiva. Os chefes que me inspiram muito são o Anthony Bourdain (falecido em 2018) e o Alex Atala, que eu gosto muito do tipo de comida que ele faz. O que eu mais admiro na comida brasileira é a simplicidade, variedade de ingredientes e a comida regional que existe no Brasil. 

AMAIS: Qual receita te transporta para uma lembrança que sente falta?  

Fogaça: Receita afetiva que me traz boas recordações é o creme de pão que a minha vó fazia. Creme de pão com rosbife.  

AMAIS: Quais são os 3 temperos que não podem faltar nas suas cozinhas?   

Fogaça: Na minha cozinha não pode faltar: alho, cebola e ervas em geral. Alecrim, tomilho, manjericão, lvia ervas.  

AMAIS: Fogaça, nos fale sobre suas tatuagens: qual foi a primeira? Sabe quantas tem? E tem espaço para mais?  

Fogaça: A minha primeira tatuagem foi um escorpião que eu fiz na perna. Minhas tatuagens definem minhas fases na vida, mas a maioria é relacionada ao rock (eu tenho uma banda de rock), que é algo muito forte em mim, também tenho bastante tatuagem relacionado a cozinha. Então é meu estilo de vida que eu coloco na minha pele. Não, não sei quantas tenho, eu fui juntando uma na outra, então meu corpo é praticamente fechado, não dá para mensurar o número de tatuagens.  

AMAIS: Quais são suas maiores inspirações musicais? O que o Fogaça de 18 anos escutava e o que escuta hoje? 

Fogaça: Minhas inspirações são músicas de verdade, especificadamente o rock, o rock de protesto, nacional, e o que eu ouvia com 18 anos, eu ouço hoje com 45 anos, as mesmas bandas, algumas novas que existem, mas fico mais no old school. 

AMAIS: Em 2018, você esteve em nossa cidade e saltou de paraquedas. Como foi essa experiência para você?  

Fogaça: Saltei de paraquedas, foi uma experiência única, uma adrenalina, na hora que abre a porta do avião dá um super medo, mas na hora que você salta é uma sensação muito boa.   

Música para cozinhar? Louis Armstrong - What a Wonderful World 

Um cheiro? Cheiro de ervas: alecrim, tomilho… gosto muito! 

Uma viagem inesquecível? Viagem para Nova York… Inesquecível! 

Comida favorita? Feijoada 

Comida do Jacquin ou da Paola? Comida do Jacquin E da Paola, dos dois, eu gosto muito!  

 

Entrevista por Hannalee Motta

Hannalee Motta

hanna@optimus360.com

Deixe um comentário

avatar

Senha redefinida. Um link será enviado para o seu email