Encontre aqui o melhor da região.
Background Image

Dor lateral no quadril afeta mulheres a partir dos 40 anos

Fortalecimento da musculatura com exercícios físicos é principal método de prevenção e tratamento.

Dores e dificuldades para realizar as atividades do dia a dia. Esta é a realidade das pessoas que convivem com a dor lateral no quadril, uma patologia ocasionada, na maioria das vezes, por uma inflamação na bursa, uma pequena bolsa contendo líquido que envolve as articulações e funciona como amortecedor entre ossos, tendões e tecidos musculares.

De acordo com Dr. Eduardo Prota, ortopedista especialista em quadril do Centro Médico São José de Cerquilho (SP), a dor afeta, principalmente, mulheres entre os 40 e 60 anos. “O principal sintoma é a dor na região lateral, que é agravada quando se fica em pé por longos períodos, durante corridas e longas caminhadas ou se força a área”, detalha o médico. A dor, explica o especialista, pode ser ocasionada também por uma sobrecarga do músculo, que tem a função, não somente de fazer o movimento de abertura da perna (abdução do quadril), como também de estabilizar a pelve quando a pessoa se encontra em pé (posição ortostática).

Dr. Eduardo Prota

O diagnóstico é realizado pelo histórico detalhado do paciente, por exame físico realizado pelo ortopedista especialista em quadril e exames computadorizados, como ressonância nuclear magnética e ultrassonografia. “Os sintomas devem ter semelhança com os de algumas patologias que acometem a coluna, por isso, a necessidade de uma investigação criteriosa”, afirma.

Prevenção e tratamento

Com o diagnóstico em mãos, o alívio da dor deve ser buscado com o fortalecimento da musculatura pélvica e do quadril, que pode ser feito por meio de hidroginástica, fisioterapia, acupuntura, entre outras terapias. “Na falha do tratamento conservador, podem ser tentadas infiltrações e, em último caso, o procedimento cirúrgico, mas a maior parte dos casos, costuma se resolver com o fortalecimento muscular, com exercícios na academia ou, preferencialmente, na água, sempre sob a supervisão de um profissional qualificado”, conclui Dr. Eduardo.

Fonte: QNoticia

Gilberto Sampaio

sampaio@revistaamais.com

Deixe um comentário

avatar

Senha redefinida. Um link será enviado para o seu email