Encontre aqui o melhor da região.
Background Image

Entenda um pouco mais sobre os aromas dos vinhos – Revista AMAIS

aromas

Os vinhos variam seus aromas dependendo das regiões do mundo e dos tipos de uva (das cepas). O famoso “Terroir”, que são as características organolépticas que as uvas desenvolvem de acordo com as condições climáticas e do tipo de solo do país em que são cultivadas, é o principal causador destas diferenças.

Infelizmente, além do “Terroir”, a percepção olfativa das pessoas varia muito. O ser humano pode ter uma memória olfativa que varia de 2.500 a 10.000 aromas diferentes. Mas a construção desta memória não depende apenas do fator adquirido geneticamente, mas depende principalmente das vivências de cada um. Sendo assim as pessoas que são restritivas a novas vivências olfativas e gustativas, terão maiores limitações quanto à esta memória. Também terão dificuldades as pessoas com problemas respiratórios e que fazem uso constante de medicamentos. Mas os fumantes são os que estão no grupo dos que apresentam o maior grau de dificuldade de reconhecimento de aromas.

Sendo assim, sejam por fatores físicos, genéticos ou por hábitos adquiridos, as pessoas de um modo geral sentem os aromas, incluindo os dos vinhos, de maneiras diferentes.

Os vinhos trazem aromas frutados, herbáceos, minerais, animais entre outros.

É muito importante ressaltar, que estes aromas não têm nada a ver caso o vinhedo se localize próximo a alguma outra plantação que não a de uva. Por exemplo: Se um vinho branco traz aroma frutado e com notas de pera ou de lichia, não significa que há plantações destas frutas nas proximidades. Estas características são unicamente as que o tipo da uva desenvolveu naquele terreno, com as influencias climáticas da região em que está plantada. O que chamamos de “Terroir”.

Para melhor exemplificar, vejam alguns dos aromas do vinho, que para muitas pessoas parece estranho.

Aroma de lápis – Vinhos produzidos a partir da uva Cabernet Franc às vezes são associados a aromas de lascas de lápis recém-apontado.

 Aroma de eucalipto –  Apesar de não ser tão frequente, é encontrado de maneira suave, em vinhos elaborados com Cabernet Sauvignon e nos vinhos fortificados da Ilha da Madeira.

Aroma de tabaco – É relativamente comum em vinhos que passaram por carvalho, apesar de também ser estranho. Procure (e encontre) em Cabernet Sauvignon, Petit Verdot, Carmenère, Tempranillo, Sangiovese.

Aroma de terra úmida – É encontrado em vinhos encorpados e maduros, é muito associado a tintos complexos, por exemplo, e a outros vinhos produzidos com Cabernet Sauvignon e Merlot de Bordeaux.

Aroma de fumo queimado – Vinhos produzidos com a Syrah (ou Shiraz) e também com a Petite Sirah, podem trazer esses aromas bem específicos de fumo queimado.

Aroma de couro – O amadurecimento em barris de carvalho também acrescenta, muitas vezes, notas de couro ao aroma de um vinho. Os Tannat, Tempranillo e Syrah são uvas que trazem esta característica.

Aroma de manteiga – Esse aroma é normalmente associado ao vinho Chardonnay envelhecido em carvalho, de estilo californiano. Vinhos submetidos à fermentação malolática são menos ácidos e, com frequência, mostram aroma de manteiga.

 Aroma de xixi de gato – Parece até nojento! Mas é um aroma sutil associado a vinhos de alta qualidade produzidos com a Sauvignon Blanc do velho mundo.

Aroma de gasolina ou de querosene – Parece estranho, mas este aroma se encaixa entre os minerais e é muito comum nos vinhos da Alemanha. Entre eles estão alguns dos melhores Rieslings do mundo, que podem ser envelhecidos por alguns anos.

 Aroma de aspargos – Este vegetal pode ser encontrado em vinhos elaborados com a uva Sauvignon Blanc, sendo uma das melhores sugestões de harmonização para esse legume difícil de harmonizar.

aromas

Não fique preocupado se você nunca identificou estes aromas. Talvez você até os tenha percebido, mas por achar impossível, deixou passar. Mas com certeza se eles aparecerem novamente, não irão ser ignorados. Outro fator importante a ser considerado, é que estes aromas, na maioria das vezes, se apresentam em vinhos de qualidades superiores. Portanto não espere encontra-los com facilidade.

Lembre-se, se for beber – beba o que é bom e com moderação.

____________________________________________________________________________________

Por Valéria Pilon

Sommelière e Coordenadora de Eventos
Salut – Sommelière Valéria Pilon
e-mail: sommelier_valeria@hotmail.com

Hannalee Motta

hanna@optimus360.com

Deixe um comentário

avatar

Senha redefinida. Um link será enviado para o seu email